Operações são deflagadas pela Polícia Civil em Elói Mendes com 3 prisões

A Operação “Forasteiro” foi desencadeada a partir do registro da ocorrência de um furto ocorrido no início de fevereiro deste ano e que teve grande repercussão na Zona Rural de Três Pontas. Nesse dia três autores encapuzados, após danificarem todo o robusto sistema de segurança da propriedade, subtraíram dois televisores de 55’ (cinquenta e cinco polegadas) e 01 (uma) arma de fogo.


Diversas diligências foram encetadas deste então, sendo os três autores da subtração e dois receptadores identificados. Um das TV´s, avaliada em mais de três mil reais, foi recuperada durante as diligências, na cidade de Elói Mendes, na primeira fase da Operação “Forasteiro”.


Hoje, na segunda fase da Operação “Forasteiro”, na cidade de Elói Mendes, foram realizadas buscas na casa de um dos autores, e foram encontrados dinheiro e droga, além de celulares que serão periciados. Também foi cumprido mandado de prisão preventiva desse autor, que, após ser ouvido na Delegacia, foi encaminhado ao Presídio de Elói Mendes.
A operação policial foi assim batizada em alusão ao fato de que o furto investigado foi praticado no município de Três Pontas por indivíduos residentes em Elói Mendes.

Já a operação Monopólio, da Delegacia de Elói Mendes, foi deflagrada em repressão qualificada aos delitos de tráfico de drogas, associação para o tráfico e tentativa de homicídio.
Segundo as investigações, no fim do mês de março, um indivíduo praticou uma tentativa de homicídio contra dois moradores do bairro Nossa Senhora Aparecida, em Elói Mendes, pelo fato de eles terem se recusado a armazenar droga em sua casa, contrariando as ordens dele. Após a tentativa de homicídio, o investigado disparou fogos de artifício contra a casa das duas vítimas, para aumentar ainda mais o terror dos moradores. Os fogos utilizados foram apreendidos, hoje, em uma das casas do
investigado.


Foram cumpridos dois mandados de prisão preventiva, expedidos pela Comarca de Elói Mendes, mediante representação da Polícia Civil, e, ainda, foi dado cumprimento a dois mandados de busca e apreensão também requeridos pela Polícia Civil, em duas casas ocupadas por um dos investigados.
As buscas resultaram na apreensão de dois celulares, drogas, fogos de artifício, moeda estrangeira e quantidade significativa

de dinheiro trocado (moedas), ganhos obtidos com a mercancia de drogas.
A investigação da Polícia Civil conseguiu apurar que os dois investigados presos na data de hoje estavam associados para a prática de tráfico de drogas no bairro Nossa Senhora Aparecida, em Elói Mendes. Há informações, ainda, de que outros indivíduos compunham a associação, e as investigações continuam em relação a tais pessoas.


Um dos investigados presos hoje, de 22 (vinte e dois) anos de idade, líder da associação para o tráfico, vinha exercendo, nos últimos meses, enorme terror sobre os moradores do bairro Nossa Senhora Aparecida, ameaçando e agredindo fisicamente quaisquer pessoas que o desagradassem. Além disso, o investigado apregoava para a comunidade que ele era o novo
“disciplinador” daquele bairro, e que ele seria o responsável por
punir qualquer ato que contrariasse seus interesses.


O outro alvo já estava recolhido no Presídio de Elói Mendes, após ter sido preso em 04.04.2020 pela Polícia Militar com significativa quantidade de droga. Esse investigado vendia drogas a serviço do outro investigado preso na data de hoje. Apesar de já estar recolhido no Presídio de Elói Mendes, foi dado cumprimento formal ao mandado de prisão preventiva contra ele.

A operação policial foi batizada de Operação “Monopólio” em alusão ao fato de que um dos alvos se autodeclarava a pessoa que mandava no bairro, ditando o certo e o errado, e punindo aqueles que contrariassem suas regras. Tudo isso, evidentemente, afrontava o monopólio estatal de uso da força e emprego de punições. Com a operação, a Polícia Civil reafirma o
monopólio do Estado para o uso da força e aplicação de punições
na cidade de Elói Mendes.

Os investigados foram recolhidos ao Presídio de Elói Mendes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *